Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma Alquimista

blog pessoal de andreia gonçalves

Diário de uma Alquimista

blog pessoal de andreia gonçalves

28 de Janeiro, 2021

Queres começar a correr? 5 erros que deves evitar

Dicas importantes para seres uma super atleta

Andreia Gonçalves

 

Correr é talvez dos desportos mais fáceis de se começar a fazer: basta sair de casa e correr, simplesmente!

Fazer um desporto, seja ele qual for só porque viu o amigo fazer é a pior coisa que podemos fazer porque, na maioria das vezes, vamos fazê-lo de forma errada e vamos odiar a experiência. Eu própria sempre detestei Educação Física porque nunca tive ninguém que me ensinasse a respeitar os meus limites. Ainda há dias me lembrei das provas de resistência, em que o objetivo era correr durante x minutos sem parar. Era obrigada a fazer um esforço muito além daquilo que eu aguentava! Claro que acabava a sentir-me mal.

 

Não somos todos iguais, não temos todos a mesma força, a mesma condição física. E não há mal nenhum nisso. É preciso sabermos adaptar o esforço e ir progredindo. É isso que nos motiva! Ver o nosso progresso através de pequenas coisas que conseguimos alcançar todos os dias, todos os meses, ano após ano.

Estás a pensar começar a correr? Antes de calçar os ténis, atenta a estes 5 erros de principiante que deves evitar para que te apaixones à primeira passada.

 

1 - Usar roupa a mais

Correr de camisola polar é claramente um exagero e acima de tudo muito desconfortável. Depois de 10 minutos, se tanto, começamos a aquecer e o calor torna-se insuportável. Outro erro muito comum é usar roupa demasiado justa - e foi um dos erros que já cometi – correr com a roupa colada ao corpo é das sensações mais desagradáveis.

Eu sou muito friorenta e a coisa que mais detesto é sentir frio. Aprendi da pior maneira que não devemos correr com demasiada roupa vestida.

Uma vez, uma amiga disse-me uma coisa que nunca mais esqueci: “devemos sair de casa a sentir frio”. Na altura achei que aquilo não tinha muito sentido, mas é verdade, embora a tentação seja fazer o contrário. Claro que não vou correr de calções com 0ºC, por exemplo!

Dica: conforto! Quando toca a escolher roupa para a corrida há 3 características das quais não abdico: conforto, qualidade e beleza. Conforto por razões óbvias – para ter liberdade de movimentos, mas com o tamanho certo (nem demasiado larga, nem apertada). Outra dica é optar por roupa com tecidos transpiráveis, evitar o uso de camisolas de algodão, pois embora este material absorva a humidade do corpo, arrefece rapidamente a pele, uma vez que não elimina a transpiração e não seca rapidamente. E, finalmente, escolher roupa bonita, claro está!

2 - Ténis desadequados ou apertados

Para praticar futebol precisamos de uma bola de futebol, para jogar ténis de uma raquete, para correr: uns bons ténis! Há muita tecnologia por trás de uns ténis que a maioria dos leigos desconhece. A sola, o cabedal, o tipo de amortecimento…todas as características de uns ténis interferem na performance da corrida, mas sobretudo no impacto da corrida no nosso corpo. Isto é, dependendo do piso do terreno, e consoante a nossa velocidade e peso, a energia de retorno quando apoiamos o pé no solo pode refletir-se em excesso nas nossas articulações provocando lesões, pois trata-se de um gesto repetitivo. Para minimizar ou evitar, um bom amortecedor devemos usar…

Este foi outro erro que aprendi da pior maneira. Como é obvio compramos um ténis do nosso tamanho, só que não! Os ténis ajustados ao nosso número normal não são a melhor opção.

Quando corremos é natural os dedos do pé fazerem pressão à frente, mais ainda se for em descidas. Se os ténis forem à justa, os dedos vão estar a fazer fricção, e o resultado normalmente são bolhas, unhas negras ou encravadas. No meu caso valeram duas unhas negras que acabaram por cair! Não é bonito…nem pouco doloroso.

Dica: comprar dois números acima. Eu calço normalmente 36-37 e os meus ténis são sempre o 39, há assim, bastante espaço entre o tecido e os dedos. Os atacadores permitem que os ténis se ajustem ao pé, portanto não há hipótese de eles caírem dos pés!

3 - Querer resultados rápidos

Nada acontece de um dia para o outro. Se vamos começar a correr a pensar que vamos correr uma maratona no fim de uma semana, não vai correr bem. Um erro muito comum é querer dar tudo nos primeiros minutos e, passados poucos metros, acabamos por nos sentir tão mal, ofegantes, com dores e tonturas e acabamos por detestar a experiência.

Dica: Começar de forma moderada, ou seja, correr a um ritmo que nos permita conversar sem ficar sem fôlego. Temos de dar ao nosso corpo o tempo necessário para se habituar ao esforço cardiovascular.

4 - Ter vergonha de andar

Aceitar o nosso esforço, mesmo que seja correr 500 metros e andar o resto do tempo.

Dica: aposta em alternar corrida e caminhada em intervalos curtos. Não tenhas vergonha de caminhar até o corpo se recuperar um pouco.

Não podemos pensar que estamos a correr para os outros verem, mas sim por nós! Começar a correr é isso mesmo: correr e andar se for preciso.

A cada treino aumentar a duração da corrida e encurtar os intervalos de caminhada, por exemplo, 2 minutos de corrida, 2 minutos de caminhada e ir aumentando em 1 minuto a cada dia. Com o passar do tempo, vais conseguir correr mais e caminhar menos.

5 - Não alongar

Os nossos músculos são compostos por fibras que contraem, estiram (sem lesão), respondem a estímulos e retomam ao seu comprimento original após contração ou extensão.  A corrida é um desporto de alto impacto, o que provoca stresse muscular.

Por isso, é fundamental alongar para prevenir lesões, para reduzir a compressão, para diminuir a pressão muscular sobre as articulações, diminuir as cãibras, aliviar as dores, ajudar o corpo a voltar ao estado normal devagar e a relaxar.

Muito importante: o corpo precisa de descanso para se recuperar, não só a nível muscular, mas também ao nível cardiorrespiratório. Um corpo fortalecido é o nosso maior aliado para prevenir lesões.

Nas primeiras corridas, corre com naturalidade, sem expectativas. A ideia é ganhar o gosto pela corrida. Traça um objetivo e quando o conseguires atingir, define outro ainda mais ambicioso! Boas corridas!

*Com consultoria do meu mentor e marido (e professor de Educação Física!)

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista

Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

25 de Janeiro, 2021

Mantra da semana #15

A decisão certa é sempre aquela que te faz feliz

Andreia Gonçalves

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

24 de Janeiro, 2021

Tendências para um estilo de vida saudável

Plano de resoluções para cumprir em 2021

Andreia Gonçalves

Já comemos as 12 passas, formulámos os desejos e escrevemos as resoluções para o novo ano. Quase a chegar ao final do primeiro mês, quantas pessoas já passaram da intenção à ação? Aposto que muito poucas. Mas vou ajudar-vos a cumprir algumas desses objetivos que são a tendência para 2021 no que toca ao estilo de vida saudável. 

Apresento-vos uma mão cheia delas para quem deseja adotar um estilo de vida mais saudável e deixo o desafio para as cumprir ao longo dos onze meses que faltam para o ano terminar:

1 – Cuidar da pele

 

Rotina de cuidados diária

O teletrabalho estimulou a valorização do look da cintura para cima. A pressão aumenta na forma como nos apresentamos em frente à câmara e um rosto cuidado é a primeira coisa que impacta quem está do outro lado.

Uma boa rotina de cuidados da pele é essencial para manter a pele saudável e bonita. Ter uma pele cuidada não é uma missão impossível. Há quatro passos fundamentais muito básicos e que não exigem mais do que 10 minutos diários: limpar, tonificar, hidratar e proteger. Vão fazer toda a diferença a longo prazo e vamos perceber que não foi tempo perdido, mas sim investido! Há que ver o copo meio cheio.

Parece complicado, mas não é: lavar a o rosto com um bom produto de limpeza, natural, sem aditivos químicos processados, tonificar com um produto suave para repor o ph da nossa pele, antes de hidratar com produtos com ingredientes que reajam em simbiose com a nossa pele e restabelecer a barreira cutânea. Por fim, um protetor solar para retardar o envelhecimento, caso tenhamos de sair de casa.

2 – Usar produtos sustentáveis

Comprar menos, reutilizar mais, não desperdiçar

O minimalismo será cada vez mais procurado, ligado à procura de produtos produzidos com preocupações com a sustentabilidade, além da reciclagem de materiais, são estes os comportamentos que dominarão a mente de quem quer optar por um estilo de vida saudável.

Quantas de nós temos frascos de cosméticos, detergentes, alimentos ou outro produto qualquer todos encetados ao mesmo tempo e ainda não acabou o último e já comprámos um novo? E já para não falar da quantidade de roupa, acessórios, entre outros. Precisamos realmente de comprar tanto? Antes de comprar devemos perguntar-nos que utilidade vamos dar à coisa e, sobretudo, não ceder à tentação das promoções, descontos e saldos. Menos é mais, e mais vale ter um produto de qualidade e que dure mais tempo do que acumular vários.

A tendência é para passarmos do comprar e deitar fora, ao comprar e reutilizar. dou-vos alguns exemplos: uso desde há muito tempo garrafas de água reutilizáveis, optei por usar discos de limpeza de pano, assim como as máscaras sociais que depois posso lavar e voltar a usar. Passei a escolher materiais que podem ser reciclados ou reutilizados.

 

3 – Começar ou manter o exercício físico

Corpo são e mente sã

Estar em casa não significa ceder ao sedentarismo ou usar esta situação como desculpa para parar ou não começar a fazer exercício físico. Uma caminhada é suficiente! Está na hora de tirar o cu do sofá e começar a mexer. Cadeiras, garrafões de água, paus de vassoura são apenas três exemplos de objetos que podemos usar para fazer exercício sem sair de casa. Há aulas em direto em plataformas digitais, há ideias no Youtube, aulas no Facebook. Não há desculpas para ficar sem fazer nada!

O exercício físico melhora a nossa saúde física e mental. Existem inúmeras evidências científicas de que a atividade física regular tem benefícios indiscutíveis para a saúde física e psicológica, e consequentemente no bem-estar geral em todas as idades:  controlo do peso, combate de algumas doenças e melhoria das condições de saúde, aumento dos níveis de energia ou melhoria da qualidade do sono.

 

4 – Escolher alimentos mais saudáveis

Comer bem e com qualidade

Quando estamos em casa temos tendência para estar sempre a comer. Os especialistas explicam este comportamento como um sinónimo de descompressão. Estar em casa significa estarmos relaxados, o desafio é ter disciplina naquilo que comemos e quando comemos.

Comer de forma saudável, não significa comer coisas sem sabor. Muito menos ser fundamentalista ou andar obcecada com calorias. Da horta para o prato, é esta a minha filosofia na hora de escolher o que comer que já partilhei convosco num dos post do Advento de Natal. Gosto de cozinhar de forma simples, com o máximo de variedade, com sabor e, acima de tudo, qualidade. A prática de uma alimentação saudável supõe que esta deva ser completa, variada e equilibrada, fornecendo a energia adequada e bem-estar físico ao longo do dia e, consequentemente contribui para a prevenção de doenças crónicas.

 

5 – Mais água, tisanas, infusões

Hidratar o corpo

Já é difícil para algumas pessoas beberem água quando têm um dia normal, agora então torna-se mais complicado.

A água corresponde a cerca de 60 a 70% da composição corporal total e é fundamental para o bom funcionamento do organismo. A sede é o primeiro sintoma de desidratação, por isso, não devemos esperar ter sede para beber água.

Existem pessoas que não gostam de água ou simplesmente nunca sentem sede! Há técnicas simples para beber mais água como arranjar uma garrafa de 2 litros e assim é possível controlar a quantidade de água ingerida ao longo do dia, outro truque é aromatizar a água ou ingerir outras bebidas como chás e infusões ou sumos de fruta que são ricos em água e podem ser alternativas, assim como a sopa.

O que é preciso é manter o corpo hidratado. E lembrar-se das funções que a água desempenha pode ser um bom estímulo: assim, a água e demais fluidos do organismo estão envolvidos na digestão, na absorção e no transporte dos nutrientes, na circulação do sangue, na formação da saliva, na manutenção da temperatura corporal. A pergunta é: já bebeu água hoje?

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista

Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

18 de Janeiro, 2021

Mantra da semana #14

Nunca permita que a imaginação limitada dos outros te limite, Mae Jemison

Andreia Gonçalves

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

 

15 de Janeiro, 2021

O dramalhão do frio

Último episódio

Andreia Gonçalves

Tenho um amante, admito-o publicamente mesmo sabendo que o meu marido vai ler este texto. O Jarbas faz parte da minha vida desde há muitos anos. Não consigo viver sem ele. Aquele jeito dele quentinho nunca me deixa gelar os pés.

Quando sinto frio parece que nem raciocino direito. Para combater o frio vale tudo: aquecedores, ar condicionado, lareira e, claro, saco de água quente! O meu chama-se “Jarbas” e é o meu amante das noites frias. Corpo quente em mente sã – é este o meu mantra do inverno. Tal como o ar frio próprio da época do ano, o ar quente que usamos para nos aquecer também nos desidrata. Ingerir muitos líquidos, em especial bebidas quentes e açucaradas, pois o açúcar serve de combustível para as células produzirem energia e a água é essencial para a manutenção do metabolismo do organismo e evitar a secura da pele. Beber água fria nem sempre sabe bem, mas podemos optar por chás ou infusões, que têm uma tripa função: hidratam, aquecem e ajudam a combater os vírus invernosos. Partilho convosco o meu trio de plantas anti constipações:

Equinácea anti-constipações

A equinácea é conhecida por ativar o sistema imunológico, excelente no combate contra resfriados e outras infeções. Atua sobre o sistema imunitário induzindo a produção de citocina, sendo indicada na prevenção e tratamento de doenças infeciosas como a gripe, a constipação ou faringite.

Infusão: a raiz ou as flores podem ser usadas na preparação de uma infusão. Ferva 1 colher de chá de equinácea para cada chávena de água. Deixe repousar e beba três vezes ao dia.

Serpão para a tosse

O aroma do serpão ajuda a descongestionar o sistema respiratório indicado para a bronquite e tosse intermitente. Possui uma ação antisséptica, expetorante e calmante.

Infusão: Para aliviar a tosse e a dor de garganta junte 2,5 dl água a ferver sobre 1 colher de chá de serpão. Deixe repousar e beba três vezes ao dia.

Tanchagem

trata gripes, resfriados e inflamações da garganta. Alivia a tosse e pode ser utilizado em gargarejos para tratar afeções da boca e da garganta, como aftas, faringite, amigdalite e laringite.

Infusão: 2 colheres de chá) de folhas secas de tanchagem para 200 ml de água (aprox.). Deixe a infusão descansar 10 minutos e beba três vezes ao dia. 

14 de Janeiro, 2021

O dramalhão do frio

Episódio 3

Andreia Gonçalves

Quando inspiramos o ar é tão gelado a entrar nos pulmões que é preferível deixar de respirar! O nariz está tão frio que não sentimos o pingo a espreitar na porta da narina e fica ali pendurado durante horas…ou até alguém ter a coragem de nos dizer!

A Trilogia do inverno: as tosses, as gripes e as constipações. Lenços usados em todos os bolsos, em cima da secretária, dentro da mala, em todos os compartimentos do carro…eles chegam a todo o lado!

Tudo isto porque o raio do frio causa diminuição da temperatura corporal, o que reduz a capacidade de resposta do sistema imunitário e favorece a atividade dos vírus respiratórios, ficando o organismo mais suscetível a infeções.

As recomendações das autoridades de saúde dizem-nos que devemos evitar períodos longos de exposição ao frio, evitando locais com grandes concentrações de pessoas, pois há uma maior probabilidade de propagação de vírus e ter atenção às mudanças bruscas de temperatura - o ar condicionado no máximo do quente pode saber bem, mas não ser a melhor ideia quando se está sempre a entrar e a sair.

Mas quando o vírus se instala no nosso organismo, não há tosse ou nariz entupido que resista a um bom bálsamo como este da Branquinha Cosmética Natural com óleo essencial de eucalipto, alecrim e cânfora, tem uma ação descongestionante e anti-inflamatória, para aplicar no peito ou debaixo dos pés e calçar umas meias, antes de ir dormir. É aquele aconchego que nos faz lembrar os cuidados das nossas mães quando estávamos doentes. Ajuda-nos a respirar melhor e a dormir uma noite mais descansada.  

Este produto artesanal tem ingredientes 100% naturais e é proveniente de uma pequena produção, por isso é limitado no tempo, ou seja, está apenas disponível no inverno. 

Outro tratamento é usar folhas de eucalipto. O aroma abre as vias respiratórias e atua como um bálsamo para os pulmões. Indicado para bronquite, sinusite e faringite. É ainda útil nos casos de dores de cabeça.

Dica para fazer vapores: ferva folhas de eucalipto em água, cubra a cabeça e inspire e expire o vapor.

Para conhecer melhor este produto visitem a página da Branquinha Cosmética Natural e nos links dos títulos encontram o catálogo de produtos completo da marca.

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista

Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

 

13 de Janeiro, 2021

O dramalhão do frio

Episódio 2

Andreia Gonçalves

Vestimos as luvas quando saímos de casa, mas ainda não chegámos ao carro e já as tiramos três vezes: para fechar a porta com a chave, para atender tocar no telemóvel, para procurar as chaves do carro! Quem nunca?

Entretanto as nossas mãos já congelaram com o frio. Começamos a sentir as mãos ásperas, com a pele levantada e um aspeto enrugado.

A secura cutânea (xerose), irritações e frieiras são algumas das consequências do frio na pele e devem ser prevenidas. Por isso, é fundamental hidratar muito bem a pele para evitar, por exemplo, o aparecimento de frieiras. Frieira é um termo usado para descrever uma doença dermatológica provocada pela exposição ao frio. 

O que são frieiras?

As frieiras são uma doença provocada pela exposição ao frio que atinge, sobretudo, as zonas mais expostas ao ar e humidade, tais como:

  • Mãos,
  • Pés,
  • Nariz
  • orelhas

Pode também aparecer, embora menos frequentemente, nas seguintes partes do corpo, como cotovelos, joelhos ou partes inferiores das pernas.

Quais os sintomas de frieiras?

Manifesta-se por uma inflamação dolorosa da pele que fica branca, fria, insensível, com comichão, inchada e vermelha. Em casos mais graves, podem levar à formação de bolhas e dar origem a feridas.

Quem são as pessoas mais sensíveis às frieiras?

As pessoas que sofrem mais de frieiras são as que desenvolvem uma reação anormal ao frio, por isso é uma doença mais frequente nos meses de inverno e nas regiões com temperaturas mais baixas e húmidas (a humidade aumenta a condutividade do frio).   

Qual a causa das frieiras?

Na sua origem parecem intervir fatores genéticos, hormonais (as mulheres possuem pior circulação nas extremidades e reagem pior a mudanças de temperatura, devido nomeadamente às alterações menstruais) e problemas circulatórios.

As condições climatéricas tais como o frio e a humidade são fatores desencadeastes e agravantes. A doença é mais frequente nos meses de inverno e nas regiões com temperaturas mais baixas e húmidas e em particular nos meios rurais. Pode estar também relacionada com o tipo de trabalho realizado que pode expor as pessoas mais frequentemente ao frio

Qual o melhor tratamento?

Os cuidados preventivos são essenciais para evitar o aparecimento das queixas sendo as medidas mais eficazes as seguintes:

  • Casas bem aquecidas;
  • Usar roupas adequadas (luvas, calçado apropriado, gorros de lã, etc.) de proteção contra o frio;
  • Melhoram com o calor pouco intenso e com a massagem suave da zona afetada;
  • O exercício físico moderado é útil, pois ativa a circulação sanguínea aumentando a temperatura corporal;
  • Não deve aquecer diretamente as mãos no calorífero a altas temperaturas;
  • Evitar lavagens repetidas das mãos por causa da louça e outras atividades domésticas pois facilitam o aparecimento de frieiras.

Os cuidados preventivos são essenciais, no entanto, um dos tratamentos pode ser cataplasmas de urze-roxa.

A urze-roxa é um pequeno arbusto com propriedades adstringentes, anti-inflamatórias, diuréticas e antissépticas. Pode ainda usar o bálsamo para as frieiras da Branquinha Cosmética Natural elaborado à base a calêndula, uma planta muito usada pela sua ação emoliente e hidratante, especialmente utlizada em peles sensíveis, secas, irritadas e inflamadas, como nos casos de frieiras; óxido de zinco, usado no cuidado de pele irritada e óleo essencial de helicriso italiano pela sua ação antibacteriana, antifúngica, anti-inflamatória e cicatrizante, promove a cicatrização da pele.

Este bálsamo é igual eficaz em queimaduras superficiais, como aquelas que acontecem no fogão ou no ferro de engomar ou até em escaldões provocados pelo sol. 

Por se tratar de um produto artesanal proveniente de uma pequena produção, este bálsamo é produzido sazonalmente e está apenas disponível no inverno. 

Para conhecer melhor este produto visitem a página da Branquinha Cosmética Natural e nos links dos títulos encontram o catálogo de produtos completo da marca.

Quando inspiramos o ar é tão gelado a entrar nos pulmões que é preferível deixar de respirar! Continua...

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista

Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista

12 de Janeiro, 2021

O dramalhão do frio

Episódio 1

Andreia Gonçalves

 

Manta, lençóis térmicos, édredon, pijama polar, meias de lã, gorro, luvas, cachecol com três voltas, quispo de penas, camisolas térmicas, meia calça até ao umbigo - este é o cenário por estes dias. Parecemos umas chouriças bem apertadinhas, noutros casos o boneco insuflado dos pneus Michelin ou uma cebola com várias camadas!

E mesmo com esta camada toda de roupa sentimos frio. Costumo dizer que parece que ele se instala nos ossos e não há volta a dar. Mas quem sofre mesmo com as temperaturas baixas é a nossa pele. A pele fica seca, baça, áspera e começa a ficar vermelha e muito desconfortável. Muitas vezes aparecem pequenas feridas e cortes nos lábios que são dolorosos. 

 

Quando está frio os nossos vasos sanguíneos contraem-se (vasoconstrição), diminuindo a produção de sebo cutâneo.

Hidratar é a palavra de ordem para fazer face ao drama das temperaturas baixas.

Devemos evitar banhos prolongados com água muito quente (embora saibam muito bem) e utilizar produtos de higiene com tensioactivos suaves, que preservem o filme hidrolipídico da pele - é uma espécie de camada protetora da pele e que evita a entrada de agentes nocisos ao nosso organismo.

É aqui que devemos fazer uma boa escolha dos produtos a usar.

Os produtos cosméticos com ingredientes naturais agem em simbiose com o metabolismo da pele, preservando o filme protector natural da epiderme (filme hidrolipídico), por isso, vão conseguir restaurar esta camada na perfeição. Ao contrário, os produtos cosméticos tradiconais contêm conservantes, corantes, produtos sintéticos, perfumantes, óleos minerais que nos dão uma sensação agradável à primeira vista, mas que, na verdade, criam um filtro impenetrável na pele, impedindo a desintoxicação e a respiração da pele. Já para não falar que um cosmético biológico pode conter até 30% de princípios activos, enquanto que o cosmético químico não contém mais do que 1%...

É muito importante aplicar um creme hidratante no rosto e no corpo, sem esquecer aos mãos que estão mais expostas e os lábios para prevenir o cieiro. Destaco dois produtos sem quais não passo nesta saga de temperaturas baixas:

BÁLSAMO PROPOLIS&GELEIA REAL

Este bálsamo é ideal para revitalizar os lábios, acalma e suaviza a pele e ajuda a manter a hidratação por mais tempo. Contem própolis e geleia real com alto poder cicatrizante, suavizante, calmante.

BÁLSAMO LABIAL

Os lábios nunca devem ser esquecidos: aplicar regularmente um bálsamo hidratante para prevenir o cieiro. 100% naturais, muito nutritivos e com sabores agradáveis. Elaborados com azeite, cera de abelha, óleo de coco e manteiga de cacau. Disponível nos aromas: simples, amora silvestre, cereja, menta, limão-baunilha, cacau-laranja.

Para conhecerem melhor estes dois produtos visitem a página da Branquinha Cosmética Natural e nos links dos títulos encontram o catálogo de produtos completo da marca.

Vestimos as luvas quando saímos de casa, mas ainda não chegámos ao carro e já as tiramos três vezes: para fechar a porta com a chave, para atender tocar no telemóvel, para procurar as chaves do carro! Quem nunca?  

Não percam o próximo episódio deste "Dramalhão do frio"! 

 

Segue-me no facebook ou no instagram em @diariodeumaalquimista

Se gostaste, partilha com a tag #diariodeumaalquimista